quarta-feira, 30 de junho de 2010

CONTOS DE FADAS

Sempre gostei muito de ler...
O mundo fantástico do faz-de-conta sempre me atraiu.
Histórias em quadrinhos, revistas, livros, qualquer coisa com letras exerce uma forte atração sobre mim.
Antes que soubesse ler, meu pai tinha que ler para mim as histórias do Pato Donald, e essa é a lembrança mais antiga que tenho sobre meu gosto por histórias.


Mas, meus preferidos eram os Contos de Fadas, e sobre o tema existe muita controvérsia. Vejam aqui:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Contos_de_fadas
Toda a família já sabia que ganhar livros era uma alegria para mim, e assim fui colecionando meus tesouros, que conservo até hoje, mesmo já velhinhos e até sem capas, pois eles foram lidos e relidos durante muitos e muitos anos.
"Aladim e a Lâmpada Maravilhosa" era magia pura, e a triste história da Sereiazinha era lida com o coração apertadinho. Esses livros continham outras histórias igualmente interessantes e uma que sempre me impressionou é a da Princesa Disfarçada, a famosa "Pele de Burro" e seus vestidos maravilhosos !

Porém o maior tesouro eram os livros "Os Mais Belos Contos de Fadas", uma coleção de contos de vários países, da Editora Vecchi, e que eu sonhava em ter toda a coleção, num total de 17 volumes, mas que só consegui 3:
-Contos de Fadas Chineses
-Contos de Fadas Russos
- Contos Juvenis de Fadas
Histórias cheias de mistérios, monstros, fadas, ogros assustadores, príncipes valentes, princesas lindas e varinhas- de- condão, meu "sonho de consumo" na época.
Romântica e sonhadora, eu "entrava" nas histórias e vivia aquele mundo encantado e tão diferente da minha simples realidade mortal.

Bem manuseados, os livros tiveram suas páginas cheias de anotações, como por exemplo, o meu nome em letras bem infantis e a pintura da minha filha, muitos anos depois.
Eu também anotava, à lápis, o número de páginas que tinha cada história.

Ainda li para meu neto alguns contos, mas achei que eram "pesados" demais, quando analisei com o meu olhar de adulto.
Interessante é que quando eu era criança, apesar da "crueza" das fábulas, principalmente das chinesas, eu não ficava impressionada.
Talvez por saber que eram simplesmente histórias de mundos fantásticos e perigosos, mas muito distantes da minha vida serena e segura dos anos 50...

21 comentários:

  1. Olá Flora!
    Não há nada como ler um bom livro. E se apanharmos o gosto desde pequeninos ainda melhor!

    Quanto ao livro, eu já mandei algum tempo...já deveria ter chegado...não estará perdido nos correios?

    Bjs Susana

    ResponderExcluir
  2. Tem razão, Flora: que tesouros!! Eu sou apaixonada por livros assim. Infelizmente, tive muito poucos, mas li muitos, pois desde criança que sou sócia da biblioteca itinerante, e os poucos recursos nunca me impediram de ler muito.

    O primeiro conto de fadas a sério que li foi "As Mil e uma Noites", quando tinha uns 9 ou 10 anos.
    E nunca mais esqueci. Era um livro velho e amarelado que estava lá nos confins das prateleiras da carrinha da biblioteca. Sou uma sócia tão antiga, que o meu número de sócia só tem 4 dígitos, dá para imaginar?

    Existe um livro que eu tive em criança e infelizmente desapareceu. Ainda hoje me lembro das ilustrações que me faziam sonhar. Lembro-me de passar tardes inteiras a contemplá-las.
    A recordação que ficou foi de uns meninos que usavam chapéus chineses e comiam fatias de melancia sentados numa canoa, num rio.
    Eu ADORAVA essas imagens, nem sei explicar bem porquê. Fazia-me sentir bem.
    Infelizmente, não sei o nome do livro, pois creio que na época eu ainda não sabia ler.
    Adorava poder comprá-lo, mas só com esta recordação, é como encontrar uma agulha num palheiro.
    Adorei conhecer os seus tesouros!
    beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Minha querida e sonhadora Flora:
    Diante de seu tão imenso amor pelos contos de fada, sinto-me como um príncipe encantado na sua vida, que saiu de um desses livros para o seu mundo real.
    Nada de sapos, por favor, pois eu já surgi príncipe. Os seus beijos sempre foram bem-vindos, mas sem essa de transformar batráquios em gente.
    Os contos de fada nunca me atrairam, talvez por ser um menino que preferia gibis, e depois um jovem entusiasmado pela literatura romântica e de dramas psicológicos.
    Enquanto eu colecionava Fantasma, Mandrake e outros heróis, eu tinha uma amiguinha que só lia Grande Hotel. Eu bem que tentava ler, mas achava tão água com açucar. Livros de Monteiro Lobato ainda foram bem aceitos, Peter Pan em especial. Mas, ser homem tem dessas coisas, só se assume o nosso yin depois de amadurecermos.
    Mas, ainda assim, prefiro Machado de Assis e Cronin, do que contos de fada. Coisas de homem.
    Beijos.
    Gilberto.

    ResponderExcluir
  4. Flora que encanto.
    Num mundo onde tudo é descartável, ter esse tesouro é uma alegria, com toda certeza e dividir essa alegria com a gente através desse post é muito generoso de sua parte. ADOREI.
    Beijos em ti.

    ResponderExcluir
  5. Oi Flora ! Que legal ! Você me fez relembrar
    dos meus livros de contos de fadas. Eu também
    ficava louca para ter a coleção toda.
    Bons tempos, né ?
    Beijos, beijos.
    Vera

    ResponderExcluir
  6. Querida Flora

    Doces recordações ao ver estes seus livros...tesouros da minha infância, embora as encadernações sejam um pouco diferentes para os mesmos títulos.Também guardo alguns livros meus que depois passaram por todos os meus filhos e com o mesmo encanto.

    bjs
    Nélia

    ResponderExcluir
  7. Ai, Susana, nem posso pensar em perdê-lo !
    Vou ver se na agência eles sabem me informar algo.

    Obrigada pela visita.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Oi, Hazel:
    Ler é muito bom...

    Desses meus livros existe 1 que foi muito marcante, não porque eu gostasse mais da história, mas porque eu levei anos até terminar de lê-lo ! É o "A Volta Ao Mundo Por Dois Garotos".
    Ele é um livro grosso, de páginas finas, letras miúdas e história muito movimentada. Eu lia um tanto, parava, ficava muito tempo sem pegar, pois não era do estilo que eu preferia, e quando voltava a ler, já havia esquecido o que lera antes. Então voltava atrás...
    E assim foi por muito tempo.
    Mas como sou muito teimosa e orgulhosa, não admitia ficar sem terminar a leitura, e um dia, já adolescente, terminei !!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Meu querido herói, príncipe encantado e mago Merlin:

    Coisas de meninos e meninas...
    E ainda bem que existem essas diferenças, não é mesmo ?
    Assim como você, eu também tinha "fome" de livros e revistas, e não tínhamos tantos ao nosso alcance, como desejávamos.
    Num tempo sem televisão, e muito menos internet, a leitura era a passagem para o mundo encantado do sonho e da fantasia.

    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Oi, Fê:

    Livros são tesouros, e como tal deveriam ser tratados. Gosto de livros usados, gastos, sinal de que foram bem lidos e apreciados. Os meus são assim...

    Obrigada pela visita.
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Oi, Vera:

    Esses livros foram muito importantes para mim, viciada em leitura que sempre fui.
    Meu pai dizia que o paraíso para mim era um livro e uma lata de biscoitos !

    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Imagino que sejam diferentes sim, Nélia, principalmente por você ser muito mais nova do que eu.
    Minha filha também gostava de ler, mas os livros da sua época já eram outros.

    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Flora
    Tinha os livros da minha filha guardados no meu sótão, mas já os fui buscar. Agora são um dos passatempos da minha neta que adora ver as imagens enquanto eu lhe leio as palavras. Algumas das histórias mais simples, ela já consegue contar à medida que vê os "monecos".
    As histórias infantis são intemporais e, as mais pesadas para as mentes de hoje, podemos sempre dar-lhe a volta e actualizá-las.
    Beijinhos
    Lourdes

    ResponderExcluir
  14. Oi, Lourdes:
    Apesar das diferenças, as crianças podem gostar dos livros antigos também, se devidamente incentivadas.

    Mas sei que tudo é questão de gosto. Dos 4 irmãos, eu sempre fui a que mais gostava de ler.
    Minha filha sempre gostou de livros, mas meu filho preferia as revistas em quadrinhos e nelas também aprendia muita coisa.

    Beijo

    ResponderExcluir
  15. Recebi do meu amigo FILIPE a seguinte mensagem:

    Ótimo, saudades imensas.

    E vamos lembrar de minha infância: Vida Infantil, minha paixão, Contos da Carochinha, Quem Contou Foi o Mindinho, Os 13 irmãozinhos e o Ogro, Florinda e Floringel, Robalino e Golondrina, etc etc.

    Vc conheceu isso tudo?
    bs filipe

    ResponderExcluir
  16. Oi, Filipe:

    Lembro de ler Vida Infantil e Contos da Carochinha, mas nada disso ficou guardado.
    Herdei uma coleção maravilhosa com as histórias do Ferdinando Buscapé, coleção essa que foi formada pelo meu tio para meu primo que era 5 anos mais velho do que eu.
    Ela estava intacta, mas eu e meus irmãos acabamos com ela, e muito lastimo por isso ter acontecido.

    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Me identifiquei muito ocm seu texto, adoro contos de fadas, principalmente os russos, e meu pai tbm lia história do pato donald pra mim!!

    Parabéns pelo texto, continue com o blog =D

    ResponderExcluir
  18. Obrigada pela visita, Gabi !
    Já visitei seu espaço e vi que é desenhista !
    Isso é muito legal, menina.

    Beijo

    ResponderExcluir
  19. Olá, querida. Teria como me enviar uma copia do livro, pode ser por email, "os mais belos contos de fada Russo" preciso dele e não tenho condições de comprar, é pra uma boa causa....te garanto. marcelosonda@yahoo.com.br desde já agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
  20. Cara Flora Maria. Procuro desesperadamente - ou seria anciosamente? - por algum livro que contenha um poema que lí na escola em minha infância. Vasculhando pelo "Sr. Google", alguém me disse que o que eu procuro está em um livro de Antônio de Pádua Mores, intitulado: "Quem Contou Foi o Mindinho.", e esse mesmo "Sr. Google" me jogou nesse link. Tem algum conhecimento do que procuro? Transcreve o que me recordo do poema: “Um dia encontrei um feio saci
    Cruz-credo, nem quero lembrar do que vi
    Barrete vermelho; cachimbo na boca
    Assim me falou, com voz muito rouca:
    "Seu moço, desejo saber o seu rumo
    Mas antes me dê um pouco de fumo."
    Eu tinha levado no bolso, por sorte
    Um fumo gostoso, cheiroso e bem forte
    Mas quando, ao cortá-lo, a faca lhe pus
    O fumo e a faca, formou uma cruz
    Embora não tenha nem chifre nem rabo
    Saci é parente, chegado ao diabo
    (Aqui, fica uma lacuna no poema que continua)
    ...Sumiu estourando, com cheiro de enxofre.”
    É o que me lembro, e, se seguirmos a lógica das rimas, o verso que falta, embora não me lembro se tenha outras, rimaria com "enxofre".
    Obrigado. José Roberto

    ResponderExcluir
  21. Oi, José Roberto:
    Falei com uma amiga, professora aposentada, que está fazendo contatos para ver se alguém tem o livro e conhece a poesia. Quando tiver alguma informação eu aviso aqui.

    ResponderExcluir

RECEBER SUA VISITA É MUITO BOM !
LER SEU COMENTÁRIO, É MELHOR AINDA !!!