domingo, 30 de agosto de 2009

A MAGIA DAS CORES - Índigo

Indigofera suffruticosa é uma espécie vegetal da família Fabaceae, também conhecida como anileira ou pelo seu antigo nome Indigofera anil. É usada como matéria para obter o anil.A Índia é considerado o centro mais antigo a usar o anil no velho mundo. Fornecia para a Europa, e a associação de India com anil é refletida na palavra grega para a tintura, que era indikon (indicum). O anil é a mais antiga tintura a ser usada para tingir tecidos. Países como a Índia, China e Japão, usaram o anil por séculos. Também civilizações antigas na Mesopotâmia, no Egito, na Grécia, em Roma, na Grã-Bretanha, Peru, Irã, e na África.

O índigo ou anil, é a mistura de violeta com azul, e muito usado em cromoterapia.
O índigo é a cor do chakra Frontal, também chamado "terceira olho", a ponte entre o consciente e o inconsciente; está relacionado fisicamente com as estruturas da base do crânio.

Na foto o belíssimo mar azul-índigo dos Açores

Situada entre o azul e o violeta, essa cor combina racionalidade e espiritualidade. Talvez seja a cor mais distante do calor das emoções e sensações; seu mundo é puramente abstrato e mental.
Sendo a ligação entre a consciência e o mundo inconsciente, é a cor que influencia os processos de sugestão mental e cura psicossomática.

Bela cerâmica na cor índigo, do talentoso ceramista Bernardo Ilg.

Do ponto de vista simbólico, o índigo está relacionado com a razão fria. Seus deuses são os deuses do tempo implacável e devorador, que dão à pessoa a consciência de seus limites, de suas responsabilidades, do preço a pagar por cada coisa que ela quer conquistar.
O mais conhecido deus do tempo é Crono, o Saturno romano, e ele rege a cabeça, justamente por ser o símbolo da razão abstrata. Sua cor é o anil - índigo.

Interessante exemplar do artesanato do "Tempo e Arte".

Sendo a cor de Saturno, seu número é três e sua forma geométrica o triângulo; suas pedras são a safira e outras gemas azul-escuras, como a azurita, o lápis-lazúli e a sodalita; seus perfumes são o sândalo e o cedro; seu metal o chumbo; suas qualidades básicas, a cristalização e o acúmulo de energia, que podem manifestar-se como prudência ou como inércia.

Paisagem azul-índigo e geleiras.

Sua função psíquica é a Sombra, o inconsciente pessoal formado por tudo o que é reprimido. Seu elemento é a água e os seus objetos são cálices e cristais. As imagens que o evocam são o céu noturno estrelado e as profundezas das águas.

Borboleta na calça índigo.

A partir dos anos 50, e principalmente dos anos 70 em diante, começaram a nascer crianças diferentes, e que possuíam o índigo como a cor da sua aura, sendo por essa razão reconhecidas como Crianças Índigo:

O seu filho “viaja” quando ouve algo que não lhe interessa na aula? Ou vira-se para um papo-cabeça com o colega? Ele parece desatento e distraído, mas fica horas superconcentrado no que gosta, como jogos de computador, futebol ou teclados de um piano? Ele é rebelde, respondão e detesta injustiças? Precisa que você lhe explique com todo o carinho os motivos para que obedeça? Pois seu filho pode ser um índigo — a cor arroxeada do jeans, quase lilás, e escolhida por representar uma aura positiva. O rótulo foi criado por especialistas americanos para designar uma criança hipersensível, cujo cérebro recebe muito mais estímulos que a média dos mortais.

As Crianças ÍMas o que a ciência comprova é que os índigo têm um funcionamento cerebral diferente. Se não forem bem compreendidos, podem ser confundidos com pessoas impulsivas e agitadas.

(Revista O Globo - 27 de julho de 2003)

Um exemplo muito conhecido de Criança Índigo é o jovem russo Boriska, e sua história é por demais interessante.


Lindo tom índigo no vitral da Igreja de São Lourenço Mártir.



quinta-feira, 27 de agosto de 2009

OS DUENDES DO MEU JARDIM

Dizem que no meu jardim moram muitos Duendes !
Pessoas com "dons" especiais já viram essas energias passeando por lá.

"Duendes são pequeninos seres de orelhas pontudas e sorriso esquisito que cuidam das plantas e ajudam as sementinhas a brotar. Existem pessoas que conseguem ver os Duendes. Quando cuidamos com carinho das plantas e dos animais, eles costumam aparecer para nos agradecer".
Extraído do site "Contando História"
são pequenins sExistia uma casinha de cachorro (herança de um que fugiu da casa da minha filha), sem uso e ocupando espaço no Paiol. Outro dia tive vontade de criar um cantinho para meus Duendes aproveitando a tal casa. Encaixei-a no meio de plantas, cobri o telhado com uma manta de Calísia (Callisia repens), enfeitei com cristais e estou aguardando que, assim como minha amiga Hazel, eu encontre em algum "lixo" um duende material para ocupá-la, já que os verdadeiros donos já devem estar lá.

Na mesinha da varanda já existe uma Aldeia onde Duendes e Bruxinhas convivem com pedras e plantas. A casa era para os passarinhos, mas como eles não se interessaram por ela, dei um uso mais interessante à bela construção de madeira.

Cogumelos existem "aos montes" por aqui, e dizem que onde eles nascem, os Duendes também estão.
Pacientemente estou aguardando meu duende de jardim...

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

CHUVA !!!

Gosto de Chuva ! Reconheço que tenho um gosto um pouco estranho, mas o que posso fazer ? Não é que não admire o Sol e todo o seu esplendor. Adoro sentir seu calor naqueles dias frios de inverno, e observar quando ele chega por trás das montanhas iluminando a terra. Mas os dias chuvosos tem o seu encanto...Fotografar chuva não é muito fácil, pelo menos para mim que não sou fotógrafa nem possuo a máquina ideal para essa ousadia. Talvez essa foto foi a melhor que consegui e, com boa vontade, dá para ver os pingos acompridados no meio do verde.
As plantas, mais do que eu, adoram a chuva, vital para sua vida. As folhas ficam brilhantes e felizes. Agosto de 2009 surpreendeu com dias chuvosos, em plena época de seca. As plantas agradeceram.

Num dos muitos dias em que perdi o ônibus, aproveitei para caminhar sob a chuva fina admirando a paz e quietude do bairro adormecido. A névoa encobria a montanha e criava um ambiente misterioso e frio. Guarda-chuva e máquina fotográfica não combinam muito bem, mas consegui fotos interessantes.


Também gosto muito da música CHUVA, e aqui segue a letra.

Chuva
(Durval Ferreira e Pedro Camargo)

Vem, amor que é meu, olha a chuva a nos chamar
Ouve a chuva a nos dizer que existe um bem.
Sente, amor que é meu, todo amor em mim que é teu
E esse bem que a chuva em nós faz renascer

Todo um sonho lindo fez-se em nós para dizer
Toda beleza de lembrar que existe um bem

Vem, amor que é meu, olha o amor a nos chamar
E essa chuva que traz do céu nosso bem
Que o sonho nos deu e a vida tambem

Razão de cantar, sorrir pelo bem de amar



sábado, 22 de agosto de 2009

DE FORNO E FOGÃO...

Gosto de cozinhar !!! Pode parecer estranho uma mulher dizer isso, mas é a pura verdade. Dá trabalho, mas o resultado é compensador, principalmente quando vem acompanhado de elogios e suspiros.

Saladas e tortas. E sem bichinhos, pois sou vegetariana. Seis tipos de saladas, um empadão de creme de espinafre, um rocambole recheado com soja, dois tipos de molho, e crotons serviram muito bem 12 pessoas que comeram e repetiram.

Feijão fradinho, com muita cebola e salsa. Delícia pura.

Duas saladas numa só travessa: o salpicão, sempre elogiado, e a salada de repolho.

Batata quente alemã é sucesso garantido, e agrada gregos e troianos.

O almoço fez parte do 7º Seminário de Inverno de Numerologia da Alma.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

FAUNA SILVESTRE - Gambá



Gambá-comum
(Didelphis marsupialis) foi o primeiro marsupial a ser conhecido pelos europeus.
Apresenta corpo com pelos longos e pescoço grosso, focinho alongado e pontudo, dai sua grande aparência com um rato gigante. Apesar de ser uma animal de movimentos lentos, trepa em árvores com facilidade, usando a cauda preênsil para agarrar-se aos galhos.

Finalmente consegui fotografar um dos gambás que frequentam a minha casa ! A luz da lanterna deixou-o imobilizado, e pude chegar pertinho.
Sei que muitas pessoas não gostam dele, mas acho-o tão bonitinho...

Aqui ele fez cara de zangado para mim, mas depois ficou calminho.

Os gambás não vivem em grupos, mas na época da reprodução eles formam casais e constroem ninhos com folhas e galhos secos em buracos de árvores.


Encontrei um dia um ninho no paiol, dentro de uma caixa de papelão. Cheio de folhas secas e abandonado.

Seus hábitos são noturnos, por isso, quando começa escurecer, o gambá sai de seu abrigo para caçar e coletar alimentos.

É comum também eles aproveitarem a ração dos gatos, que compartilham amistosamente (ou medrosamente ?) seu alimento.

Fico muito feliz em saber que esses animais silvestres ainda existem e podem conviver com os seres humanos.

Pelo menos com os da minha casa, pois gostamos muito deles.