quarta-feira, 11 de novembro de 2009

SEMPRE PORTUGAL...

"Virou, mexeu", e lá estou eu falando de Portugal ! Também pudera, pois passei minha vida ouvindo histórias da terra de meus pais, avós, tios, bisavós. A grande verdade é que adoro ouvir e contar histórias.

Gosto muito dessa foto onde meu tio Manoel, casado com a irmã de meu pai, exibe cachos e mais cachos de uvas. Pena que já não lembro mais onde foi isso. Pode ter sido na terra dele - Cabeceiras de Basto - e não sei quem são as pessoas. Parece que as crianças estão gostando muito das uvas !

Minha mãe, "a brasileira", posa ao lado de senhoras tipicamente portuguêsas. O lugar - Telhadela. (1968)

Em Oliveira D'Azemeis meu pai fotografou essas senhoras, em 1965. O que levam nos cestos ?

Em Telhadela, minha mãe com a prima Evangelina, que cuidou da minha avó Olívia, após a morte do meu avô Adelino. Muito interessante a pilha de palha, atrás. O que será ? Confesso minha ignorância de moça de cidade grande. ( 1968)

Em 1965 meu pai esteve hospedado na Pensão Anacleto, e foi muito bem tratado pelo garçon, sr. Manoel e pela arrumadeira, sra. Deolinda.
Olhando esses retratos transporto-me para o passado e parece-me ouvir meu pai contando as peripécias dessas viagens.
Em 1965 ele viajou sozinho para Portugal, pois precisava resolver assuntos do meu avô materno.
Em 1968 foi com minha mãe para trazer minha avó para o Brasil, após a morte do meu avô.

Histórias tão antigas, mas que permanecem vivas nas nossas lembranças.

30 comentários:

  1. Também gosto muito de ver fotos antigas.

    A foto das uvas foi, concerteza, após uma vindima.

    Nas cestas que as pessoas transportavam em cima da cabeça, deveria ser frutas que levavam. Talvez cerejas...?

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Não, não são cerejas.
    Oliveira de Azemeis é (hoje) uma cidade próxima da cidade de Aveiro.
    Nessa região e nessa época era habitual aparecerem estas mulheres, peixeiras da Costa Nova, com as CANASTRAS à cabeça. Iam pelas ruas a apregoar: “Olha a sardinha da nossa costa! Freguesa!… venha «cumprar q’é do noisso mar”….

    ResponderExcluir
  3. Flora estou tentando de novo uma hora eu consigo esse comentário.

    gosto muito de saber de histórias de outros lugares, meus antepassados eram italianos, então só ouvia histórias de italianos, é bom ouvir coisas diferentes...asim contadas de pais e de avós...porque a história de livros bunitinha eu não gosto não...não tem a mesma emoção destas comtadas pelas pessoas que viveram os fatos ou que de alguma maneira participaram deles.
    obrigada por dividir conosco mais este fato.
    beijo ♥♥
    Rosan

    ResponderExcluir
  4. A aldeia de Telhadela fica próximo de Oliveira de Azemeis (10 Km) e de Albergaria-a-Velha. Pertence ao Distrito de Aveiro.
    Não conheço, embora passe de carro todos os fins de semana, muito próximo de Telhadela. Tenho o meu filho na Cidade da Guarda, a tirar o curso de Engenharia informática, e por isso passo (na Auto-estrada)próximo dessa aldeia.

    ResponderExcluir
  5. A pilha de palha é FENO para o gado. O agricultor ceifa, nos seus campos, plantas que são postas a secar, geralmente gramíneas e leguminosas, para serem usadas como forragem para o gado. A palha é empilhada dessa forma (da sua foto). São as MEDAS. Assim a palha seca fica protegida das humidades e do orvalho das noites, como também da chuva, enquanto não a utilizam.

    ResponderExcluir
  6. A Pensão Anacleto ainda existe em Oliveira de Azemeis. Fica na Avenida Dr. António José de Almeida nº 310, 3720-239 Oliveira de Azemeis.

    Espero que tenha contribuido com estes dados para o seu livro de memórias...

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Olá Flora!

    Bem ...apenas falta uma foto da Flora em Portugal...Que boas recordações deve ter das histórias destas fotos.
    Para quando uma viagem até cá?
    bjs
    Nélia

    ResponderExcluir
  8. Oi, Hazel:
    Adoro ver fotos minhas e dos outros, e conservo com cuidado as que herdei dos familiares.
    Não creio que sejam cerejas, pois se assim fosse, meu pai teria comentado conosco, como fazia sempre, sobre a maravilha das frutas de Portugal.

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi, Micael:
    Eu achei que seriam peixeiras, mas não tinha certeza.
    Em algumas fotos meu pai escrevia, em outras, não, e já não lembro de tudo que ele contou.

    Obrigada pela informação.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Oi, Rosan:
    Os italianos tem uma influência muito forte no Brasil, principalmente na região Sul, não é mesmo ?
    Adoro as músicas italianas, as comidas, e a forma alegre do povo.

    Conte histórias de seu povo, pois eu também gosto muito de conhecer culturas diferentes.

    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Oi, Micael:
    Portugal é tão pequenino, comparado com o enorme Brasil !
    Rapidamente chega-se em qualquer lugar. Meu pai, em 1965, ficou hospedado em Oliveira de Azemeis, para não dar trabalho aos meus avós, e ia, todos os dias, conversar com eles para resolver os problemas que o levaram até lá.
    A casa dos meus avós ficava na Branca (Souto da Branca - Laginhas, era o enderêço para onde enviávamos as cartas).

    Um irmão do meu avô morreu atropelado nessa Auto Estrada, quando por lá passava, de bicicleta, já na casa dos oitenta anos !!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Lindas são as medas, não é mesmo, Micael ?
    Feitas com tanto capricho.
    Meu pai fotografava tudo que era diferente para mostrar aos filhos, principalmente a mim, curiosa por natureza.

    Agradeço de coração, suas preciosas informações.
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Contribuiu, e muito, Micael, para meu livro de memórias, e o melhor é que o mundo todo também pode conhecer esses lugares.
    Emocionante saber que a Pensão Anacleto, onde meu pai ficou uma boa temporada, há tantos anos atrás, ainda existe.

    Muitíssimo obrigada pelas informações, e fique sabendo que vou explorá-lo mais um pouco, a qualquer momento.
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Oi,Nélia:
    Foram momentos emocionantes esses da viagem do meu pai, sozinho em Portugal, aos 63 anos.
    Ficamos preocupados com ele, minha mãe então, era só saudade.
    Dezenas de cartas foram trocadas, histórias contadas, fotos enviadas.
    Já em 1968, quando os dois foram juntos, ficamos mais tranquilos, só saudosos e ansiosos pela volta. Eu já era casada, e minha irmã Nelia ficou "tomando conta" dos 2 irmãos mais novos.

    Foto minha em Portugal, só se for montagem.
    Por aí irei quando existir o "tele-transporte", como vemos nos filmes de ficção.

    Beijo

    ResponderExcluir
  15. É amiga, isso é sinal que já vivemos muito... e que lindas lembranças!

    Recordar é viver novamente... já dizia o poeta...

    beijos... obrigada pelo carinho amiga...

    ResponderExcluir
  16. Oi, Zininha:
    Adoro histórias antigas !
    Minha família cultiva muito o hábito de recordar o passado, e as histórias vão seguindo de geração em geração.
    Beijo

    ResponderExcluir
  17. As fotos nos levam a recordações por demais interessantes.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  18. Olá Flora
    Realmente tens que vir passar umas férias para conheceres as tuas raízes.Vais ficar encantada porque embora pequeno é muito bonito o nosso Portugal.Quanto às minhas plantas, precisava mesmo de uma estufa, mas o espaço que tenho não o permite, embora já tenha uma área bastante significativa do meu quintal coberta, para resguardar as plantas dos rigores do Inverno. Imagina que tenho um abacateiro e uma goiabeira aí , ainda não deram fruto, pois são frutos tropicais e não acredito que algum dia isso venha a acontecer, mas já resistem há 3 anos. Também tenho maracujás e esses já deram frutos várias vezes.
    Um bom fim de semana.
    Beijinhos de Manta de retalhos

    ResponderExcluir
  19. Obrigada, Cadinho Roco, pela visita.
    Levam sim, a grandes recordações.
    As imagens nos transportam para épocas e lugares distantes. Muito bom !

    ResponderExcluir
  20. Bem sei, Elisa, das belezas de Portugal, pois minha família sempre nos contava sobre elas.
    O que mais comentavam era sobre as frutas (cerejas, pêssegos,uvas,), e o vinho que, nas aldeias, era dado para crianças, molhando o pão nele. Diziam que não se bebia água, somente vinho !
    E as castanhas, o azeite, as flores...

    Quem sabe um dia vou até aí...

    Quanto às frutas tropicais, eu tenho vários abacateiros (enterro o lixo orgânico, e as sementes brotam), mas não sei quando darão frutos, pois minha terra é pobrezinha (excessivamente arenosa). Não desista...

    Beijo

    ResponderExcluir
  21. Recebi da Zaida, artesã "de mão cheia", da linda cidade vizinha de Cristina, o seguinte comentário:

    "Oi Flora, adorei seu blog, vc e mesmo uma artista, e atravez de seu trabalho deixa transperecer a pessoa maravilhosa que vc e. Parabens mesmo, desejo que vc tenha sempre muito sucesso na vida. Abraços da Zaida"

    ResponderExcluir
  22. Muito obrigada, Zaida, pela visita e pelo carinho.
    Faz tanto tempo que nos conhecemos, não é mesmo ? Creio que desde a primeira Mostra de Artesãos do Sul das Gerais. Essas feiras proporcionam um maior entrosamento entre os artesãos das várias cidades, e eu gosto muito disso.

    Beijo

    ResponderExcluir
  23. Querida Flora,

    (Este comentário já deveria ter sido escrito há um tempão, mas desde sexta feira 13 (!) que o L. tem estado em casa com uma gripe terrível.)

    Muito obrigada pela oferta da sua casa para quando eu concretizar a minha viagem de sonho pelo mundo e parar aí pelo Brasil. Quanta generosidade... obrigada.
    O seu Consorte também foi comentou, reforçando com muita amabilidade a sua oferta.

    Muito vos agradeço, pela vossa hospitalidade e simpatia.
    Sinto-me grata como se já tivesse estado em vossa casa. O valor da intenção...!

    Um beijo, com amizade

    ResponderExcluir
  24. Salve !
    Estou por aqui dando uma espiada.
    tenho vontade de morar em São Lourenço - MG. Conheço a cidade, só me falta trabalho. Se souber de algo. Eu sou professora e radialista e meu marido também é radialista.
    Muito obrigada por sua visita e por palavras tão carinhosas para com o meu trabalho. Volte mais vezes, FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... terá sempre uma história para contar.
    Saudações florestais

    ResponderExcluir
  25. Oi, Hazel:
    Será mesmo um prazer imenso recebê-la, um dia, aqui em casa.
    Aprendi com os mineiros essa forma de "abrir as portas de casa". O povo daqui é extremamente hospitaleiro, e está sempre chamando para um cafezinho.

    Beijo

    ResponderExcluir
  26. Oi, Silvana:
    Obrigada pela visita.
    Gosto muito do seu blog, onde tem sempre uma história interessante.

    Venha um dia passear em São Lourenço para "sentir" as possibilidades.
    Beijo

    ResponderExcluir
  27. Oi minha querida...

    Vim regar nossa amizade... beijos...

    saudades!!!

    ResponderExcluir
  28. Obrigada pela visita, Zininha, amiga tão carinhosa e meiga.
    Beijo

    ResponderExcluir
  29. Gostei de ver as duas fotos de Telhadela, no Verão passado publiquei um estudo histórico e etnográfico com 295 páginas falando somente sobre esta bela localidade, actualmente com 800 habitantes.
    Se quiser mais informação sobre o referido livro pesquise, de preferência no Google, por: "Telhadela Perspectiva Histórica e Etnográfica" ou o meu blog telhadela.sapo.pt

    ResponderExcluir
  30. Oi,Nuno:
    Obrigada pela visita.
    Já visitei seu blog, e voltarei para ler tudo.

    Deve ser mesmo uma beleza a Telhadela.
    Volte sempre
    Abraço
    Flora Maria

    ResponderExcluir

RECEBER SUA VISITA É MUITO BOM !
LER SEU COMENTÁRIO, É MELHOR AINDA !!!