sexta-feira, 29 de outubro de 2010

AS FLORES DE OUTUBRO

Outubro está nos últimos dias...
Neste mês o destaque, aqui em casa, foi a florada da Caliandra, aquele pompom fofinho que existe em várias cores. O meu é vermelho e, nesse ano, brilhou com toda a pujança da sua cor !

Minha falsa-íris (Neomarica caerulea), falsa, porém linda, está começando sua floração encantadora ! E o melhor é que esta se multiplicando, pois cada folha que tomba, logo enraiza e forma uma nova planta. Assim sendo, em algum tempo terei um Campo de Íris, igual ao que o Alexandre mostrou no seu blog Lost in Japan. Veja aqui.

A Caracasana (Euphorbia cotilifolia), folhagem grená (lembram desse nome ?) e muito bonita, dá umas minúsculas e delicadas flores brancas, pois sua formosura são mesmo as folhas. No tempo de Inverno ficam só os caules, aguardando a chegada das novas e coloridas folhas que retornam com a Primavera.

Meus inúmeros arbustos de Alamanda (Allamanda polyantha) estão começando a florescer.
Os do centro da cidade já estão floridos faz tempo.

A Taturana, (Acalypha reptans ) essa ervinha rasteira e brejeira está cheia de "taturaninhas" vermelhas, que são suas flores.
Alguns a conhecem como rabo-de-gato, e já vi, em fotos umas compridas como tal, mas as minhas são pequenas e mais parecidas com as taturanas, aquelas lagartas-de-fogo que queimam prá valer.

Dessa plantinha eu não sei o nome. Nem o apelido... Ela dá flor quase o ano inteiro, apesar das suas folhas estarem sempre com ar de desanimadas, e meio murchinhas.
No Inverno, descansam, e agora voltaram à ação.


Minha querida Caliandra (Calliandra tweedii), tão fofinha, espalhando seus longos galhos repletos de flores alegres !

Que bela surpresa eu tive outro dia quando, passando em frente ao Aeroporto, vi o extenso campo coberto desse capinzinho com as pontas branquinhas !

Parecia neve na grama, tão lindo e poético estava ! Serão suas florzinhas ? Não pude olhar de perto...

Vejamos o que nos reserva Novembro !

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

COZINHA CAIPIRA... Ou quase.

Adoro minha cozinha de roça, com jeitinho caipira, ou quase... Ao longo da minha longa vida já passei por várias fases e gostos, mas sempre apreciei a vida e o jeito do campo.
Dessa forma, minha cozinha é o mais próximo possível das verdadeiras cozinhas da roça.
Não tenho freezer, forno de micro-ondas, nem filtro especial ou purificadores de água.
Um liquidificador simples é suficiente, e a batedeira de bolo só é usada em casos especialíssimos. Equipamentos de mil-e-uma-utilidades passam longe aqui de casa !


Janela aberta para o verde do jardim. Cortininha em xadrez, por fora, e rendão por dentro.

Mesa de madeira com toalha em chitão. É aqui que fazemos as refeições do dia-a-dia. Em momentos de festa vamos para a sala, em tempos de dias bonitos, comemos na varanda.
Na prateleira de madeira, que encontrei jogada nos fundos de uma loja de móveis e saiu por um preço pequenino, ficam os potes com os ingredientes para o café da manhã - os chás, o café, o chocolate, o mate, a aveia, - e as especiarias.
As "toalhinhas" são feitas em papel recortado, bem no estilo de antigamente.

Panelas de barro são indispensáveis, só não uso para fazer o arroz, pois acaba queimando.

Meu falso cuco é adorável ! Presente do marido que sabe do que eu gosto.

Prateleira de madeira, coberta com pano xadrez. Nela, a louça do café, o pote de açúcar cristal e o de acúcar mascavo, e as canecas que usamos, penduradas em ganchinhos. Estão faltando na foto as outras 3. A panela vermelha que aparece no canto esquerdo, veio de Portugal, é de ágata e pertencia à minha avó materna.

Só uso filtro de barro ! Desde sempre, quebra um, compro outro. Mantém a água fresquinha e gostosa. Aqui em São Lourenço, a água sempre é fresca, mesmo no verão, mas o barro dá o sabor especial. Dentro, conservo uma pedra de ágata, que purifica a água.

Sempre tenho na cozinha um amarrado de carqueja, erva excelente para problemas de digestão. Colho no sítio, pois ela é nativa do lugar. Também gosto muito de louro, que me trás lembranças agradáveis da comida da minha avó materna Olívia.
A peneira não é somente para decorar, pois é nela que cato os feijões.

Minha possante e antiga geladeira (tem uns 25 anos de idade !) é uma Consul duplex, e já teve seu motor trocado por um econômico. Nunca foi pintada e a ferrugem já está atacando-a. Para proteger, colei umas flores de contact bem coloridas.
No alto, os potes de mantimentos. O do meio já foi mostrado aqui, e era de sorvete Kibon, nos anos 70.

Em maio, quando o frio é de rachar, a água quente da panela faz uma fumaça linda, em contato com o ar frio do ambiente.
O saco de leite, é para comprovar que não uso leite de caixinha !
As violetas estavam floridas nessa época e eram levadas para pegar o sol da manhã que, no inverno, penetra cozinha à dentro, aquecendo e iluminando as manhãs na nossa cozinha quase rural.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

ADORO BEGÔNIAS !

Ainda estou me acertando com as Begônias ! Apesar de gostar muito delas, parece que a recíproca não é (era) verdadeira. Lembro quando eu e minha sogra ganhamos vasinhos com belas begônias floridas e a minha logo foi definhando e morreu, enquanto a da d. Isabel manteve-se viçosa e florida por muito tempo.

Mas desde que mudei para São Lourenço, minha pendência com as Begônias foi sendo resolvida !
Ainda faltam alguns pequenos detalhes pois, ao longo dos anos, elas ficam bonitas, morrem, renascem, dão muitas flores ou poucas.
Já tive a Begônia Asa-de-Anjo, grande, no jardim. Atualmente está pequena, em fase de desenvolvimento. Já tive outra arbustiva, de folhas rajadas, em tamanho grande, mas atualmente está em crescimento.

Outro problema que eu tenho é a identificação das plantas. Li que existem mais de 1500 espécies de Begônias, portanto não é fácil saber quem é quem.
Quando penso que descobri o nome de uma determinada planta, encontro fotos aparentemente iguais, com nomes diferentes !
Esse grande exemplar - que ganhei da minha amiga, e artesã, Alcione - deve ser uma Begônia Rex, mas não tenho certeza...
Suas flores duraram muito tempo e ela é tão grande que foi difícil encontrar um lugar para colocá-la.

A de folha redonda, li em algum lugar que é uma X erythrophylla.

Essa belezinha de folhas escuras e pequenas deve ser a Bow-arriola, e é conhecida como Begônia Preta.

Hoje descobri na net que a verdinha e espaçosa é uma Begônia Rex ! Será ?
Ganhei algumas mudas da minha amiga, e também artesã, Eli, e elas foram se multiplicando.

Com jeito de coisa antiga, pois minha mãe sempre teve essa Begônia em casa, esse exemplar parece ser bem resistente. O nome ? Nem imagino...

Outro dia, minha amiga e artesã Beatriz, ofereceu-me essa Begônia, que eu já tive há tempos atrás, mas perdi.

No jardim estão as arbustivas, ainda pequenas, mas sendo tratadas com muito carinho e dedicação, pois pretendo ter uma linda coleção de Begônias, essa plantinha tão querida.

Vejam aqui o show de Begônias que encontrei no Japão.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

" TORNAS-TE ETERNAMENTE RESPONSÁVEL POR AQUILO QUE CATIVAS"

Foi uma surpresa e um susto, quando recebi um telefonema de uma pessoa, Lenilda, que estava em São Lourenço e que havia me procurado na loja para dar-me um abraço.

Quem era aquela pessoa, eu pensava enquanto conversava ao telefone ? E ela me dizia que morava em Recife, capital do estado de Pernambuco, lá no Nordeste brasileiro e muito longe de São Lourenço. Veio à São Paulo e não podia perder a oportunidade de me conhecer e visitar a tão falada cidade.

Afirmava que não era artesã, mas que tinha feito um presente para mim (na realidade, dois !), como forma de expressar seu carinho e agradecimento pelo que meu blog havia sido para ela !

Que susto ! Como posso eu, uma simples mortal, e artesã simplória, ser tão importante para alguém ?

O fato é que ela estava aqui e não tinha me encontrado na loja, pois estive lá de manhã e ela só conseguiu localizar a loja à tarde.
E eu continuava sem saber quem era aquela pessoa...
Ela explicou que, apesar de acompanhar meu blog assiduamente, somente fez um comentário como anônimo.
Aos poucos fui juntando os fios da meada...

E agora ? Pensei em dizer-lhe para pegar um taxi e vir até aqui em casa, mas a obra da ponte da Estação (que está ficando muito boa e mais tarde relatarei o sucedido) impede que façamos a travessia de carro, obrigando que uma grande volta seja dada.
Eu estava cansada, mas resolvi ir encontrá-la, e telefonei para marcar, pois tive o cuidado de perguntar em que hotel ela estava hospedada.

Já era noite, e combinamos o encontro na loja, pois lá ela tinha deixado a lembrança que trouxe para me oferecer.
Antes de sair eu entrei no seu Orkut e identifiquei-a nas fotos. Assim foi fácil, e já de longe eu reconheci a Lenilda !

Ela e o marido já estavam me esperando. Abri a loja e começamos a conversar, após o abraço inicial.
Quanta coisa para contar no tempo pequeno, pois eu voltaria para casa com meu filho, aproveitando a companhia do Roberto e da Roberta !

Ela (e ele) já me conhecem bem, através das postagens, mas eu fiquei conhecendo naquele instante o casal tão simpático e gentil que viajou 3 horas de avião mais umas 6 de ônibus trazendo o presente que para mim valeu mais do que muitas barras de ouro !

Nos 2 estandartes - grandes ! - eles retrataram um pouco da tradição da sua terra. Em um, as imagens de uma feira e o ateliê Flora da Serra está presente ! No outro, a festa junina- tão forte no Nordeste brasileiro - e o carnaval nordestino com os bonequinhos vestidos em trajes tradicionais, inclusive as dançarinas de frevo com suas sombrinhas coloridas. Uma graça, um encanto !
Só não chorei de emoção para manter a pose ! Que responsabilidade assumimos quando entramos, via internet, na vida das pessoas e interagimos com seres que vivem tão distante da nossa casa !
Que alegria saber que podemos fazer o bem, mesmo à distância, e mesmo sem saber que estamos fazendo.
Nem preciso dizer o quanto valeu para mim esse susto e essa surpresa...
O Pequeno Príncipe foi citado por eles, inclusive na frase em que diz que "se tu vens às quatro da tarde, desde às três eu começarei a ser feliz", pois assim eles me esperavam.

Agora eu ficarei eternamente cativa dessa amizade...


Em tempo I : o nome do marido da Lenilda é Jaime, e uma das filhas do casal também é Flora. E a mãe do Jaime também...

Em tempo II : um estandarte já está na minha varanda, e o outro no cantinho da biblioteca da minha sala, onde eu ponho o artesanato que ganhei das amigas.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

BELEZA É FUNDAMENTAL !

A BELEZA SÓ EXISTE PARA OS OLHOS DE QUEM A VÊ...
Dessa forma, quem ama o feio, bonito lhe parece.
Selecionei algumas fotos de imagens que eu acho bonitas.
Assim é, se lhe parece...
Aceito opiniões.


Detalhe do Castelo de Manguinhos, também conhecido como Pavilhão Mourisco. Em breve, mais informações.

A esplendorosa florada da Espatódea, em São Lourenço.

Urucum vermelhinho. Depois de maduro, usa-se a semente.

Neto e avô conversando. O assunto era sério e o neto ouvia pensativo.

Cabra branquinha e dócil ao lado da estrada.


Estranha intumescência na flor do Antúrio.

Meu pequeno Ipê Amarelo e sua discreta florada.

Pitangueira carregada de frutinhas vermelhas. Bonito de se ver. E de comer !

Decoração vibrante em restaurante de Tiradentes.

Muita beleza nessa arte de Bichinho.


A bela Serra de São José, em Tiradentes.

Dizem que "beleza não põe mesa", mas eu digo que alimenta o espírito.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

A CAMINHO DO TRABALHO

Para chegar na nossa loja de artesanato, eu faço um bom trajeto à pé, após descer do ônibus. Maior ainda quando perco-o e sigo caminhando por 3 quilometros ! Nesses percursos vou observando a Natureza, as pessoas, as casas, os animais, a vida. Minha câmera fotográfica vai comigo, observando e registrando o que de mais interessante aparece pelo caminho.

Perto da Prefeitura existem 2 pés de Buganvile. Esse está lindo, coberto de flores na cor rosa-lilás.

Rosa clarinho, quase branco, é esse outro. Sempre tem menos flores do que o anterior.

Pela grade do Parque das Águas observo a paisagem do lago, sempre um apelo para belas fotografias.

Muito interessante a cor que adquiriu a borda do lago !

Quatro pombinhas descansavam no alto da cerca.

O reflexo do Balneário no lago é encantador !

O Córrego com o Salgueiro-chorão debruçado sobre suas águas, a mureta tradicional em verde, as charretes enfileiradas aguardando os turistas... Imagens de São Lourenço.

Em tempo de amarelo, os jardins da Prefeitura estão enfeitados com as Alamandas em cerca e as Sibipirunas em árvores frondosas.

Mais Alamandas amarelinhas. Pena a foto não mostrar toda a sua graça...

Confesso que é um prazer caminhar por recantos tão floridos e arborizados ! O tempo passa mais depressa e nem dá para ficar cansada.